A Secretaria de Cultura de Salto, em uma parceria com o Senac, oferece desde agosto, cinco oficinas gratuitas com certificação. Porém, por não conseguir reunir um número mínimo de interessados, os treinamentos não devem ser realizados.

Das cinco opções oferecidas (Mestre de Cerimônia; Food Styling; Ilustração; Produtor Cultural; e Oficina de DJ), nenhum deles reuniu ao menos 20 interessados, número mínimo para a formação de turmas. O que conseguiu reunir mais interessados, foi a oficina de DJ, com apenas 10 inscritos.

A iminente perda dos cursos é lamentada pelo secretário de Cultura, Oséas Singh Jr. “Vivemos um período estranho, muitos esperam tudo do Estado em detrimento de suas autonomias. Muitos passam horas na internet, mas quando aparece uma oportunidade de mudar suas vidas, não demonstram interesse. O prejuízo não é para a cidade e sim para os cidadãos que não aproveitam as oportunidades. Antigamente dizia-se que as pessoas não liam porque os livros eram caros. Hoje há inúmeras bibliotecas espalhadas pela cidade e uma biblioteca com dezenas de milhares de livros gratuitos para serem lidos, mas o interesse é irrisório, especialmente se comparado às publicações de um TikTok, por exemplo”, comentou.

Os cursos tinham carga horária que variava entre 40 até 160 horas e não exigiam dos participantes equipamentos e tampouco algum custo aos interessados. “Observe que o problema não é o horário, pois todos são no período noturno. Um jovem que faz um desses cursos pode mudar o curso de sua vida. Os cursos são rápidos e não têm custo, inclusive oferecem oportunidade de bolsas aos necessitados”, informou.